Sem pai nem mãe


 Drive (2011)

“I don’t eat, I don’t sleep,

I do nothing but think of you.”

Under your spell – Desire

Rodolfo Jacarandá

Às vezes, em cinema, nem tudo é o que parece. Nem sempre um filme é o que a sinopse, as críticas ou mesmo a apresentação (trailers, entrevistas, anúncios diversos) diz sobre ele mesmo.

Óbvio que, se em arte a ilusão é regra, no cinema, com a adição da manipulação do ver e ouvir, a tarefa de enganar se tornaria bem mais fácil e, não raro, requintada. Parte da graça que experienciamos diante de certas películas vem, por certo, dessa confusão a que somos submetidos: quando a sua intensidade é alta o interesse tende a crescer.

No filme “Drive” (2011), Palma de Ouro para o diretor Nicolas Winding Refn, em Cannes em 2011, o caso é singular: Ryan Gossling é o “Driver”, um joão-ninguém supertalentoso para dirigir, dublê de filmes de ação, que nas horas vagas dirige para assaltantes em fuga. Ele acaba se envolvendo com uma jovem mãe, Irene (Carey Mulligan), e, no meio de tudo, acaba enfiado numa enroscada gigante ao tentar ajudar o marido ex-presidiário dela a resolver um ou dois probleminhas com gente má.

No fundo, o ‘Driver’ é um desses sujeitos “sem pai nem mãe” que o cinemão americano popularizou dos anos setenta pra cá, com uma cara de Mad Max pré-apocalipse. Ele anda por aí, sem compromisso, em meio a pequenas obrigações (consertar carros, ir ao supermercado?!), cometendo um delito ou outro (furtando carros, as fugas nem um pouco espetaculares), mas com bom coração o suficiente para se importar com a desgraça de quem mora ao lado. O que esperar de um filme assim que você já não tenha visto numa sessão “B”, das mais distraídas?!

Você suspeita desde o começo do filme que o ‘Driver’ é um desses caras com quem você não deve mexer jamais. Mas, e daí? Você sempre soube que não seria prudente provocar o Dirty Harry do Clint Estwood, nem o Paul Kersey do Charles Bronson. Todos caladões, flertando com a ilegalidade, mas inflexíveis no combate ao mal maior quando há donzelas ou crianças indefesas sob ameaça.

Mas Drive é um filme diferente. Filmado com um clima noir – embora o abuso da luz solar abundante na Califórnia – a história, misturando delicadeza e muita violência, é contada por quem fala menos. Naturalmente, morre primeiro quem se desarvora. Os movimentos do estranho herói sem nome são contidos, disciplinados, introspectivos. O ‘Driver’ quase nunca faz cara feia, a jovem Irene sempre se permite um sorriso delicado e pouco comprometedor. Tudo a denunciar a precisão de uma direção afiada e que sabe por que caminhos quer nos conduzir.

Inevitável considerar que há um clima meio Michael Mann no ar (Fogo contra Fogo, Colateral, Ali). Mas os takes longos e silenciosos lembram mais um percurso que se quer cumprir com calma para aproveitar ao máximo a qualidade dos atores e das personagens do que a perspectiva de um fim a que se chegar para garantir o resultado. E pensar que Refn concorria com Malick (A árvore da vida) e von Trier (Melancholia) pelo prêmio!

O enredo lembra um pouco aquilo que estamos habituados a ver com os irmãos Cohen (Onde os fracos não tem vez, Fargo). Mas a muito bem escolhida “vibe music” dos anos 80, o dinheiro largado no meio da rua, a salvação da menina dos olhos e a boa parte do tempo em que passamos no banco de trás do carro, ali, enfiados entre os bancos do motorista e do passageiro da frente, essa coisa toda meio que nos confunde. É um filme sobre a máfia, é sobre o anti-herói, é sobre a cidade, é sobre a música??

Por premissa, “Drive” é um daqueles filmes urbanos dos anos setenta, com visual supercool do HD digital. Mas a experiência nos leva a algo mais distante. E pensar que o herói medieval na Europa ou no Japão era um cavaleiro idiota, servo contratado para dar a vida, com honra, em nome da servidão. Não sei se a moral da história é “ao herói não importa o resultado da refrega, ele sempre terá uma estrada para seguir”. Pareceu-me mais com algo como: com talento, esmero e cuidado uma experiência artística pode ser bem mais do que parece. Não importa para onde o herói seguirá depois, o que importa é por onde ele esteve no tempo em que estivemos observando.

As melhores canções do filme:

A real hero – College (Electric Youth)

Under your spell – Desire

Kavinsky – Nightcall (Drive Original Movie Soundtrack)