Semana Cinema

Aproveitando as opções que a locadora aqui perto de casa tem a oferecer (e não são poucas), aluguei um bocado de filmes e passo a fazer um breve comentário sobre cada um, pois certamente valem a pena ser vistos.

“Cópia Fiel” foi uma das opções porque na época em que estava em cartaz foi alvo de duras críticas por parte de alguns amigos que foram ao cinema assisti-lo. Resolvi tirar minhas próprias conclusões e acho que compreendo o motivo das críticas. Realmente o filme não é dos mais animados. É um drama “daqueles”, que no final você diz pra si mesmo “Puta vida escrota do caralh*”. No entanto, apesar da falta de “animação”, o filme é belo e tem diálogos muito interessantes, que nos levam à reflexão. Devo dizer que gostei muito, muito mesmo desse filme. Ele foi me conquistando aos poucos.

O estilo de filmagem é como um “Antes do amanhecer”, pois o filme inteiro se resume a diálogos entre um homem e uma mulher (interpretada pela Juliette Binoche). Só nisso se parece com Antes do amanhecer, pois enquanto no desenrolar deste surge uma paixão avassaladora entre os personagens, naquele há um papo complexo, que você até demora um pouco a entender a real situação dos personagens.

É difícil fazer mais comentários sobre o filme sem revelar o segredo por trás da história, por isso vou me ater somente a isso… Mas digo: qualquer pessoa um dia passou ou passará pela situação, infelizmente.

“A banda” é um filme israelense que conta a história da Orquestra da Polícia de Alexandria visitando Israel para fazer uma apresentação. No entanto, a banda não consegue chegar a cidade correta, tendo que passar a noite na cidade “errada” com a ajuda de alguns moradores. A chegada da banda muda muito a rotina do lugar e de seus moradores. Nota-se que a mudança é geral, inclusive dos músicos. Não é meu estilo de filme favorito, mas conheço pessoas que adoraram, motivo pelo qual resolvi fazer esse comentário.

“Conselho é como cu, cada um tem o seu” (A guerra dos botões)

“A Guerra dos Botões” (La Guerre des boutons) é, como diria um amigo meu “um filme para sair feiz do cinema”. Quem estiver cansado de drama, pode alugar… É muito bonitinho e alegre.. vale muuuito a pena. Dois grupos rivais, os Velrans e Longeverne travam guerras o filme inteiro. É muito bonitinho de se ver a cumplicidade entre os amigos e as brincadeiras que tanto nos remete a infância.